Início Artigos Criacionistas publicam em revistas científicas renomadas?

Criacionistas publicam em revistas científicas renomadas?

2757
2

Niles Eldredge escreveu que nenhum autor que publicou na Creation Research Society Quarterly “contribuiu com um único artigo para qualquer revista científica respeitável”.

Em seu livro The Monkey Business (1982), o paleontólogo Niles Eldredge escreveu que nenhum autor que publicou na Creation Research Society Quarterly (CRSQ) “contribuiu com um único artigo para qualquer revista científica respeitável” (p.83). Aparentemente, Eldredge não se preocupou em olhar o Science Citation Index ou qualquer outra fonte bibliográfica científica importante.

O biólogo de desenvolvimento Willem J. Ouweneel, criacionista holandês e colaborador do CRSQ, publicou um artigo clássico e amplamente citado sobre anomalias de desenvolvimento em moscas da fruta (“Developmental genetics of homoeosis”, Advances in Genetics, 16:179-248, 1976). O herpetologista Wayne Frair, um colaborador freqüente do CRSQ, publicou seu estudo sobre sistemática e sorologia de tartarugas em revistas como Journal of Herpetology, Comparative Biochemistry and Physiology, Science e Herpetologica.

Em seu estudo de práticas de publicações criacionistas (“The Elusive Scientific Basis of Creation” Science”, Quarterly Review of Biology 60:21-30, 1985), Eugenie Scott e Henry Cole pesquisaram os editores de 68 periódicos para o período de 1980-1983, procurando por submissões criacionistas. De cerca de 135 mil artigos submetidos, Scott e Cole encontraram apenas 18 que poderiam ser descritos “como defensores do criacionismo científico” (p.26).

Scott e Cole não estavam procurando artigos como os seguintes: em 1983, o criacionista e microbiologista alemão Siegfried Scherer publicou uma crítica de teorias evolutivas das origens da fotossíntese intitulada “Basic Functional States in the Evolution of Light-driven Cyclic Electron Transport” Journal of Theoretical Biology 104:289-299, 1983, um dos periódicos pesquisados por Scott e Cole. Somente um editor que possuísse uma lista completa de artigos criacionistas europeus, e o insight para seguir as implicações do argumento de Scherer teria marcado o artigo como “criacionista”.

Quantos artigos Scott e Cole perderam? Vejamos em 1984, um ano após o final de sua pesquisa. Scott e Cole citaram “Enzymic Editing Mechanisms and the Origin of Biological Information Transfer”, pelo bioquímico criacionista Grant Lambert (Journal of Theoretical Biology, 107:387-403, 1984)? Lambert argumenta que sem editar enzimas, a replicação, a transcrição e a tradução primitiva do DNA teriam sido afetadas por taxas de erro extremamente altas. Mas as enzimas de edição são produzidas pelo DNA.

É um argumento brilhante para o design. No entanto, Lambert compreensivelmente conta com alguma sutileza e visão de seus leitores. Lambert não acenou “explicitamente” sua bandeira criacionista, deixando o dilema como “um problema não resolvido na biologia teórica” ​​(p. 401). Por critérios de Scott e Cole, esses artigos realmente não contam. Por qualquer outro critério razoável, no entanto, eles certamente contam.

O Dr. Russell Humphreys, um físico que trabalha para a prestigiada Sandia National Laboratories em Albuquerque, no Novo México (que está envolvido com o projeto de fusão de feixe de partículas do laboratório, relacionado à pesquisa de energia de fusão termonuclear) é um membro do conselho da Creation Research Society. Ele tem cerca de 30 artigos publicados em revistas técnicas dominantes desde 1968 até o presente. Nos últimos oito anos, grande parte do seu trabalho foi classificada, embora menos deles na literatura aberta.

Sua publicação mais recente, não classificada, é um artigo com vários autores na Review of Scientific Instruments, 63(10):5068-5071, 1992, “Comparison of experimental results and calculated detector responses for PBFAII thermal source experiments”. Eu entendo que um artigo mais recente não classificado será publicado no futuro próximo.

Aqui está apenas uma amostra de alguns de seus artigos anteriores:

“Inertial confinement fusion with light ion beams”, (Múltiplos autores) International Atomic Energy Agency, 13th International Conference on Plasma Physics and Controlled Nuclear Fusion Research, Washington D.C., 1–6 October 1990

“Progress toward a superconducting opening switch”, (Autor Principal), Proceedings of 6th IEEE Pulsed Power Conference (Arlington, VA June 29 – July 1, 1987) pp. 279–282.

“Rimfire: a six megavolt laser-triggered gas-filled switch for PBFA II”, (Autor Principal), Proceedings of 5thIEEE Pulsed Power Conference (Arlington, VA June 10–12, 1985) pp. 262–2265.

“Uranium logging with prompt fission neutrons”, (Autor Principal) International Journal of Applied Radiation and Isotopes, 34(1):261–268, 1983.

“The 1/gamma velocity dependence of nucleon-nucleus optical potentials”, (Único Autor) Nuclear Physics, A182:580–592, 1972.

Criacionistas, como Humphreys, têm extensas publicações em revistas dominantes em tópicos não criacionistas. Conforme mencionado anteriormente, o artigo de Scott & Cole foi uma busca por artigos abraçando abertamente o criacionismo, que é completamente diferente. Os criacionistas que publicam pesquisas científicas em revistas dominantes descobriram que podem publicar artigos com dados que têm implicações criacionistas, mas não conseguirão publicar artigos com conclusões abertamente criacionistas. Quando eles tentam fazer isso, seus artigos geralmente são rejeitados. Aqueles que são bem conhecidos dos evolucionistas como criacionistas têm mais dificuldade mesmo com artigos que não têm óbvias implicações criacionistas.

No verão de 1985, Humphreys escreveu para a revista Science, apontando que os artigos abertamente criacionistas são reprimidos pela maioria dos periódicos. Ele perguntou se a Science tinha “uma política oculta de suprimir as cartas ao editor criacionistas”. Christine Gilbert, a então editora de cartas, respondeu e admitiu:

“É verdade que não é provável que publiquemos cartas criacionistas”. Esta admissão é particularmente significativa uma vez que a política de cartas oficial da Science é que eles representam “o alcance das opiniões recebidas”.

Por exemplo, as cartas devem ser representativas de uma parte do espectro de opiniões. No entanto, de todas as opiniões que recebem, a Science não imprime as criacionistas.

A carta de Humphreys e a resposta da Sra. Gilbert são reimpressas no livro, Creation’s Tiny Mystery do físico Robert V. Gentry (Earth Science Associates, Knoxville, Tennessee, 2nd edition, 1988).

Em 19 de maio de 1992, Humphreys apresentou seu artigo * “Compton Spattering and the cosmic Microwave Background Bumps” para a seção de Correspondência Científica do jornal britânico Nature. A equipe editorial sabia que Humphreys era um criacionista e não queria publicá-lo (embora o artigo não contivesse implicações criacionistas flagrantes). A equipe editorial não quis enviá-lo para a etapa de revisão por pares. Seis meses depois, a Nature publicou um artigo com o mesmo tópico de outra pessoa, tendo as mesmas conclusões. Assim, a maioria dos pesquisadores criacionistas percebe que é simplesmente uma perda de tempo enviar artigos abertamente criacionistas para editores de periódicos. Dizer que um “ligeiro preconceito” existe por parte dos editores de periódicos seria uma subavaliação.

Institute for Creation Research publicou uma versão simplificada do artigo do Humphreys na série Impact [No. 233, “Bumps in the Big Bang”, novembro de 1992]. A referência 5 deste artigo contém informações sobre a submissão da Nature.

Nos anos 70 e início dos anos 80, o físico Robert Gentry teve vários artigos com dados criacionistas muito importantes publicados em revistas renomadas (Science, Nature, Journal of Geophysical Research, etc.), mas descobriu que não poderia publicar conclusões abertamente criacionistas. Gentry descobriu que os granitos contêm halos de coloração microscópicos produzidos pela decomposição radioativa do polônio primordial. De acordo com a teoria evolutiva, os halos de polônio não deveriam estar lá. Alguns acreditam que a existência de halos de polônio é evidência científica de que a Terra foi criada instantaneamente.

Quando a Oak Ridge National Laboratories rompeu o convênio de Gentry como professor visitante (pouco depois de ele se tornar conhecido nacionalmente como criacionista), o número de seus artigos desacelerou, mas ele continua a publicar.

Outro exemplo de discriminação flagrante é a recusa da Scientific American de contratar Forrest Mims como colunista “cientista amador” quando descobriram que ele era um criacionista, embora admitissem que seu trabalho era “fabuloso”, “excelente” e “de ponta”. Posteriormente, Mims inventou um novo detector de neblina sendo elogiado na coluna “Cientista Amador”, sem mencionar que Mims foi rejeitado por esta mesma coluna puramente por preconceito religioso. Portanto, não é de admirar que alguns criacionistas escrevam artigos criacionistas sob pseudônimos para evitar serem vítimas pela comunidade intolerante. Veja Invenção Atmosférica Revolucionária por Vítima de Discriminação Anti-Criacionista.

Russell Humphreys disse em uma entrevista de 1993: “Eu faço parte de uma comunidade científica bastante grande no Novo México, e boa parte deles são criacionistas. Muitos não pertencem ativamente a nenhuma organização criacionista. Com base nessas proporções e conhecendo os membros da Creation Research Society, provavelmente é uma estimativa conservadora de que existem nos EUA apenas cerca de 10.000 cientistas praticantes que são criacionistas bíblicos.” (“Creation in the Physics Lab”, Creation Ex Nihilo, 15(3):20-23).

Conheça mais algumas listas de artigos científicos, por área acadêmica, com implicações criacionistas ou tedeístas, diretas ou indiretamente, publicadas em renomados periódicos e/ou eventos científicos revisados por pares:

Texto traduzido a partir do original publicado em Answers in Genesis.

Print Friendly, PDF & Email
COMPARTILHAR
Everton F. Alves
Cofundador e Editor-chefe da Origem em Revista. Mestre em Ciências (Imunogenética) e Pós-graduando em Biotecnologia (Biologia Molecular) pela UEM. Autor de dezenas de publicações científicas na área Biomédica. Autor do livro "Teoria do Design Inteligente: evidências científicas no campo das ciências biológicas e da saúde". Membro da Sociedade Brasileira do Design Inteligente. Membro fundador do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira (NUMAR-SCB).