Início Artigos Como se tornar um criacionista bem informado

Como se tornar um criacionista bem informado

1867
0

“Porquanto, o que de Deus se pode conhecer (…) pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas…” (Romanos 1:19-20).

“Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.” (Salmos 19:1).

A Origem em Revista postou há algum tempo atrás a matéria “Como se tornar um ‘cientista criacionista’”, de autoria do Answers in Genesis. Ao lê-la, fui estimulado a escrever esta outra matéria, através da qual tenho dois objetivos: (1) compartilhar minha experiência e (2) recomendar canais e materiais de divulgação criacionista a fim de contribuir com o desenvolvimento intelectual da nova geração de criacionistas brasileiros.

Quando comecei a jornada nos estudos criacionistas, as enciclopédias foram o caminho inicial para o conhecimento. Há 38 anos atrás não existia a internet, o Google e nenhum outro mecanismo virtual de busca. Encontrei, na ocasião, a Sociedade Criacionista Brasileira – SCB (acesse o site http://www.scb.org.br) e o Dr. Ruy Vieira, fundador e presidente da SCB, que me abriu as portas e me apresentou a então Folha Criacionista (atual Revista Criacionista), o que me permitiu expandir os horizontes do conhecimento.

Hoje, temos fontes de informações muito mais abrangentes e de fácil acesso, de variadas mídias para desenvolvermos plenamente a cosmovisão criacionista.

Minha primeira recomendação é a série Origens, produzida pela Rede Novo Tempo de Comunicação, para a TV e disponível também em seu canal no YouTube; no total, até agora, estão disponíveis seis temporadas tratando do tema criacionismo a partir da abordagem nas mais variadas áreas do conhecimento humano. A saber:

  • Temporada 1: “Natureza”: Nosso planeta está repleto de monumentos do tempo e da história. Que pistas eles podem nos dar sobre quem somos e de onde viemos?
  • Temporada 2: “A Grande Catástrofe”: Quais são as evidências de que uma grande catástrofe teria ocorrido na história do nosso planeta?
  • Temporada 3: “Astronomia”: Como os mais recentes avanços tecnológicos e descobertas no campo da astronomia revelam nossas origens.
  • Temporada 4: “Filosofia das Origens”: Quais são as verdades e os mitos das Ilhas Galápagos, lugar que viu nascer a teoria que revolucionou a ciência?
  • Temporada 5: “Dinossauros”: Encontramos pegadas, ovos e esqueletos dessas incríveis criaturas por todo o mundo. Quais são os segredos que os dinossauros nos revelam?
  • Temporada 6: “Terra Viva”: Geologia, Idade do Gelo, oceanos, ambientados em sua maior parte, na Islândia.

Para um aprofundamento na cosmovisão criacionista bíblica, sugiro a leitura do livro Cosmovisão Criacionista Bíblica, de autoria da SCB. Ademais, sugiro a leitura de um artigo o qual considero de extrema importância para a introdução ao assunto intitulado “Definindo nossa cosmovisão bíblica criacionista”, podendo ser encontrado no Portal Onze de Gênesis.

A SCB também possui uma grande variedade de literatura criacionista, editada e publicada nos últimos 45 anos. A Revista Criacionista, em versão impressa, contém um resumo do conhecimento criacionista acumulado. E em breve terá uma versão digital de todo o seu acervo.

Ao longo dos anos, foram criados muitos sites criacionistas (alguns deles estão linkados no site da SCB), como o portal Criacionismo, idealizado e mantido no ar há 10 anos pelo jornalista Michelson Borges.

O Núcleo Maringaense da SCB (Numar-SCB), primeiro núcleo de estudos afiliado à SCB no Brasil (acesse www.numar.scb.org.br), e outros que também estão sendo criados, possuem artigos semi-técnicos e o Programa “Diálogo sobre as Origens”, com mais de 60 episódios disponíveis em seu canal no youtube, são de excelente qualidade e profundidade e poderão expandir seu conhecimento sobre as maravilhas da Criação.

O portal Onze de Gênesis e a Origem em Revista, também têm excelentes artigos críticos sobre evolução e criacionismo bíblico. Vale a pena dedicar tempo para vasculhar todo esse material!

O site Evidências Online, da filial brasileira do Geoscience Research Institute – GRI, cuja sede fica localizada em Loma Linda, Califórnia, EUA, que produz pesquisa criacionista de ponta, possui diversos materiais tais como apresentações, artigos, vídeos e pôsteres para serem usados em palestras.

O criacionismo científico, por outro lado, faz a inferência da existência do design ou de projeto na natureza, popularizado com William Palley, no século XVIII, em seu livro Natural Theology, como um argumento teleológico, em que:

“(…) ele afirma que se em uma caminhada, encontrássemos uma pedra, provavelmente não saberíamos a sua origem. porém, se encontrássemos um relógio no chão, concluiríamos facilmente que o relógio teve um construtor. sendo que a natureza é mais complexa que um relógio, também deve ter um construtor. também, argumentou que se o telescópio tem um inventor, os olhos também têm, pois são muito complexos1

Agora, no final do século XX, o argumento teleológico ganhou visibilidade, com a popularização da teoria da complexidade irredutível, promovida por Michael Behe, em seu livro A Caixa Preta de Darwin,2 e as máquinas moleculares descobertas na Biologia, e, posteriormente, com a teoria do Design Inteligente (TDI). O design inteligente no Brasil é representado pela Sociedade Brasileira do Design Inteligente – TDI Brasil3, a qual agrega os cientistas e/ou pesquisadores interessados no tema.

Em sua definição mais simples:

“a Teoria do Design Inteligente (TDI) é a ciência da detecção – ou não – de Design Inteligente. ou seja, é o estudo científico de padrões na natureza que possam referendar – ou descartar – a ação de uma mente inteligente como sua causa. A TDI é, portanto, a ciência que propõe inferir se a causa primeira mais provável dos efeitos universo e vida seria a ação de uma mente inteligente ou a de forças naturais não guiadas4”.

A TDI não busca saber a identidade do designer, apenas não rejeita a possibilidade da existência de um designer, tendo como seu objetivo principal a busca de design (padrões) na natureza. Nesse sentido, é importante compreender que nem todo cientista que se utiliza do argumento de design é criacionista, mas, com certeza, todo criacionista se utiliza do argumento de design na natureza. A TDI tem feito grandes descobertas de design na genética e bioquímica, por exemplo, bem como na teoria da informação, a qual chega a afirmar que a informação é parte da realidade do universo, juntamente com a matéria-energia, espaço-tempo, sendo que a informação é que organiza a interação entre esses componentes da realidade.

Você pode aprender mais obre a existência de informação na natureza, nos livros In the beginning was information5 e Without Excuse6, de autoria do Dr. Werner Gitt, bem como sobre a Teoria do Design Inteligente, no site do Discovery Institute7, organização americana oficial da TDI, que edita, publica e vende muitos livros sobre o assunto.

Você também pode encontrar livros originalmente escritos em português sobre TDI:

Você também pode fazer os cursos à distância (EAD) da Sociedade Criacionista Brasileira8. Outro curso presencial, sobre aspectos introdutórios relacionados ao criacionismo, está sendo desenvolvido no Núcleo Blumenauense da SCB9.

Que essas informações acima lhe permitam desenvolver a necessária cosmovisão criacionista bíblica e científica, e uma introdução à Teoria do Design Inteligente, a fim de que, embora você seja pesquisador, professor, pastor ou apenas um interessado, orientar, em seu âmbito de influência, a verdadeira história de nossas origens.

Celio João Pires é um pesquisador autodidata, nexialista, há mais de 37 anos, estudos temas como a história da Criação, a teoria da evolução e as áreas correlatas da Biologia, Geologia, Arqueologia e História, além de Física, Astronomia, Filosofia e Teologia.

Referências:

  1. William Palley dá a volta por cima em Dawkins – o relojoeiro não é cego! Disponível em: https://exateus.com/2015/10/20/william-paley-da-a-volta-por-cima-em-dawkins-o-relojoeiro-nao-e-cego/
  2. Behe MJ. A Caixa Preta de Darwin. Disponível em: arn.org/authors/behe.html
  3. Sociedade Brasileira do Design Inteligente. Disponível em: http://www.tdibrasil.com/index.php
  4. Borges, Michelson. O que é a Teoria do Design Inteligente. Disponível em: <www.criacionismo.com.br/2014/10/o-que-e-teoria-do-design-inteligente.html>. Acesso em: 21.10.2017.
  5. Gitt, Werner. In the Beginning Was Information. Março 2006. Master Books. Disponível em: amazon.com/Beginning-Was-Information-Werner-Gitt/dp/0890514615
  6. Gitt, Werner. Without Excuse. Creation Book Publishers. 2011. Disponível em: www.amazon.com/Without-Excuse-Werner-Gitt/dp/1921643412
  7. Discovery Institute. Disponível em: http://www.discovery.org/id/books/
  8. Sociedade Criacionista Brasileira. Cursos on-line. Disponível em: <http://scbeditorial.org/index.php?route=product/category&path=81>. Acesso em 23.10.2017.
  9. Núcleo Blumenauense da SCB. Disponível em: www.facebook.com/blumenauscb/
Print Friendly, PDF & Email
COMPARTILHAR
Célio João Pires

Pesquisador autodidata, nexialista, há mais de 37 anos, estudos temas como a história da Criação, a teoria da evolução e as áreas correlatas da Biologia, Geologia, Arqueologia e História, além de Física, Astronomia, Filosofia e Teologia.